Rádio Nova Cidade FM de Alto Alegre do Maranhão

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Melk, bandido de altíssima periculosidade, morre em confronto com a polícia na região de Pedrinhas, em São Luís

Traficante Melkzedeque Oliveira dos Santos, conhecido como Melk, foi morto no fim da manhã desta quinta-feira (27) em confronto com a polícia no Mangue Seco, na região de Pedrinhas.  Tudo começou quando por voltas das 11h30, na BR 135, Melkzedeque  avistou uma barreira policial de uma operação conjunta da Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Civil.

Ao avistar a barreira, Melkzedeque, que estava num carro Golf, vermelho, retornou na contramão de direção, momento em que foi abordado por uma equipe do choque e revidou atirando contra os policiais, empreendendo fuga. Após diligencias, o Serviço de Inteligência da PMMA localizou o veículo no bairro Mangue Seco, onde Melk, como é conhecido, novamente atirou contra os policiais que revidaram, vindo a óbito. Com Melk, estava Leilson Marques da Luz, 19 anos, preso. Um terceiro conhecido por Adê que dirigia o Golf, vermelho de placas MNR 3444, conseguiu fugir, mesmo baleado. Melk, ainda foi levado ao Hospital Dr. Clementino Moura.
Segundo o coronel Egídio, do Comando de Policiamento da Área Metropolitana 3 (CPAM 3), além de ser conhecido por provocar o terror dos moradores da Vila Colier,  Melk também é apontado como um dos principais suspeito de ter matado a tiros o adolescente Jeferson Sousa, de 16 anos, nas proximidades da escola onde estudava, a Unidade Escolar Básica José Gonçalves do Amaral Raposo, em Pedrinhas, na noite de quarta-feira (19).

Na ocasião ocorrida semana passada, a guarnição da Polícia Militar ficou sabendo do fato por meio do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) e ao chegar ao local encontrou o corpo da vítima caído em via pública com uma marca de bala no tórax. Os militares receberam a informação de moradores que o adolescente tinha sido baleado pelo fato de ser parecido fisicamente com um traficante, identificado apenas como Macaquice, e o principal autor do disparo seria o Melk. O adolescente era morador da Vila Cabral e estaria indo a escola.
Melk, bandido de altíssona periculosidade. 
Melk, considerado de altíssima periculosidade, foi recapturado por policiais militares em abril de 2014, quando estava na condição de foragido e cumpria  pena no Complexo Penitenciário de Pedrinhas pelo crime de roubo. Além dessa prática criminosa, era apontado como integrante de uma facção criminosa, envolvida com tráfico de drogas, homicídios e assaltos. Melkzedeque foi beneficiado pelo indulto de Natal e não  teria retornado a penitenciária, e desde então era procurado pela polícia.

Já em junho de 2014, fugiu da penitenciária de Pedrinhas e desde então estava foragido.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Em seis meses, Peritoró vai gastar mais de R$ 700 mil com combustível

Prefeito-Padre-Jozias-199x300A Prefeitura de Peritoró celebrou quatro contratos com uma mesma empresa para aquisição de combustíveis e lubrificantes para atender as necessidades da cidade até dezembro de 2015.
A empresa J M Fernandes Comércio Ltda foi a vencedora dos contratos, que juntos somam exatos R$ 732.612,00.
O prefeito da cidade, conhecido como Padre Jozias, assina todos os contratos, que tiveram início em 30 de junho deste ano e consta no Diário Oficial da última quarta-feira (19).
Veja abaixo alguns dos contratos:
Peritoró

Moradores bloqueiam BR-135 próximo a Bacabeira

20150827071327
Foto: Reprodução
Moradores do povoado Periz de Baixo, em Bacabeira, bloquearam agora por volta das 11h a entrada da cidade fazendo com que um extenso engarrafamento se formasse no local.
De acordo com os moradores, o atraso nas obras de duplicação da BR-135 é a principal reivindicação.  O número de acidentes com morte também é constante naquele trecho, relata uma moradora.
As obras estão previstas para serem paralisadas totalmente no dia 16 de setembro, porque não está havendo repasse da verba pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte para que as obras sejam finalizadas.  Vários trabalhadores já foram demitidos e muitos já estão com aviso prévio.
Os manifestantes atearam fogo em pneus e galhos de árvores. A via permanece fechada nos dois sentidos.
Ainda na manhã de hoje,27, por volta das 5h, cerca de 30 manifestantes bloquearam a entrada da capital no km 5 da BR-135, ninguém entrava e nem saía. Os moradores das proximidades exigiam a presença do secretário de segurança. Eles alegam a violência no local e o crescimento do número de assaltos.
Do Blog do Luis Cardoso

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Bom Jardim: a culpa não é das estrelas

O Município de Bom Jardim distante 275 km da capital não sai da mídia. Desde que o jornal Bom Dia Brasil, da rede Globo exibiu matéria dando conta de supostos desvios nos recursos públicos para a construção de escolas e para merenda escolar e, posteriormente, com a decretação da prisão da prefeita e dois de seus secretários, como envolvidos no esquema.
Os largos espaços nas suas pautas da mídia para a divulgação do episódio que tornou-se ainda mais policialesco devido ao fato da jovem gestora ter conseguido dar “um banho” nas forças policiais e ter se tornado foragida da Justiça.
A mídia busca audiência e isso fez com que construíssem uma personagem que apelidaram de “prefeita ostentação”. O roteiro é bom. Pegaram uma jovem de apenas 24 anos, de origem humilde, que, encantada pelas benesses do poder fácil e vivendo no circo da exposição permanente, atraiu para si o desprezo e a jocosidade dos caídos em desgraça.
Alguém disse – li em algum lugar –, que a culpa de termos esse tipo de político ocupando cargos importantes nas administrações é do povo, que não sabe escolher.
No caso específico de Bom Jardim, trata-se de uma meia verdade.
A agora prefeita Liliane Leite virou candidata as 18 horas do dia 06 de outubro de 2012, véspera das eleições que ocorreram no dia 07, uma hora antes do prazo final, em substituição ao namorado Humberto Dantas dos Santos, mais conhecido por Beto Rocha, que teve o registro de candidatura atacado tanto pelo Ministério Público Eleitoral e pela Coligação “Trabalho e Paz”, por conta da sentença de ineligibilidade pelo prazo de 08 (oito) anos que lhe fora aplicada por compra de votos (artigo 41-A), na eleição de 2008.
A Justiça Eleitoral na Zona lhe indeferiu o registro por entender que o mesmo se enquadrava na Lei Complementar 135/2010, conhecida como Lei da Ficha Limpa, entendimento que não foi acolhido pelo e. Tribunal Regional Eleitoral, que garantiu o seu registro.
Em 04 de setembro de 2012, julgando uma Medida  Cautelar na Reclamação Constitucional contra o TRE, o Ministro Ricardo Lewandovski, suspendeu os efeitos do acórdão do TRE, impedindo a candidatura de Beto Rocha.
Ao invés de substituir o candidato, ficaram protelando até a última hora do prazo para substituição de candidato.
Assim, Lidiane Leite, tornou-se candidata, e foi eleita, com uma diferença de 286 votos para o segundo colocado, Francisco Araújo.
O registro de sua candidatura foi impugnado por nós, representando a coligação que perdera a eleição.
Na oportunidade, alegamos ter havido fraude, pois embora sabendo que o candidato  que fez a campanha não poderia disputar – e já sabiam disso desde a decisão do STF em 04.09.12, mais de mês antes –, deixaram para substitui-lo no último dia, na última hora.
A agora prefeita e foragida, Lidiane Leite, nunca convenceu um eleitor, nunca foi confrontada sobre seu currículo e capacidade para gerir o município ou com sua biografia, suas qualidades e defeitos.
Estes, e mais o fato do Município de Bom Jardim  ser um  dos maiores municípios do estado em extensão territorial, com 6.590,475 Km2, localizado na mesorregião Oeste do Maranhão, em área da Amazônia Legal. com apenas 35% da população residente na área urbana, e 65% da população na zona rural, com densidade de 5,25 habitantes por Km2, não foram levados em consideração pelas instâncias da Justiça Eleitoral, que asseverou que a substituição fora correta e que ela poderia, sim, disputar a eleição sem pedir um voto sequer.
Na verdade, ela ou o namorado, Beto Rocha, pouca ou nenhuma diferença faria na administração do município, os dois – quem os conhece, são categóricos em afirmar –  não possuem quaisquer condições de gerir qualquer coisa, muito menos um município.
A diferença é que ele, diferente dela, possuiria a legitimidade das urnas, coisa que ela não adquiriu.
Um município com a extensão de Bom Jardim, com mais de 65% (sessenta e cinco por cento) dos eleitores em povoações distantes até 100 ou mais quilômetros, com a maior parte da população distante dos burburinhos da sede,  com o clima de desinformação que existe em cada véspera de eleição, poucos sabiam que estavam votando nela.  E, se sabiam, não acreditavam. Basta dizer que no mesmo dia da substituição os carros de som da campanha de Beto Rocha divulgavam que ele que era o candidato.
E ele era, de fato, o candidato e o prefeito que fora eleito. A própria prefeita em um comício feito após a eleição disse que ele  seria o prefeito e que ela trabalharia em conjunto com ele.
A justiça eleitoral, por todas suas instâncias não entendeu, e por isso não acolheu, a nossa argumentação de que a substituição – não forma como se dera –, se tratava de uma burla à legislação eleitoral e à vontade do povo, que estava elegendo alguém sem confronta-lo com os debates, capazes de aferir ou não sua capacidade. Posteriormente, comprovada a inabilidade da gestora em bem dirigir os rumos do município – basta de dizer que desde assumiu muitas escolas sequer abriram as portas –, foi a vez da justiça estadual dizer que estava tudo certo.
Não estava, o resultado é o que temos assistido diuturnamente em todos os canais de televisão do país.
Como vemos, culpas existem, mas ela não é apenas do povo.
A nota de ironia disso tudo é que Lidiane Leite (eleita como Lidiane Rocha), virou prefeita   pela coligação denominada “A Esperança do Povo”.
A esperança do povo, deu no que deu.
Abdon Marinho é advogado.

Discursos de Andréa Murad aumentam audiência da TV Assembleia

Deputada Andrea Murad
Deputada Andrea Murad
Estive neste final de semana em dois bairros que adoro. O primeiro onde nasci, no João Paulo, e o segundo no que residir por mais de seis anos e onde tenho muito amigos: Recanto dos Vinhais.
Nos dois, como todos sabem que gosto de conversar sobre política, o assunto dominou as rodas. Uma coisa me chamou a atenção: tanto em um quanto no outro, o interesse pelas sessões plenárias transmitidas pela TV Assembleia.
O que tenta desperta a atenção no telespectador da TV Assembleia? Logo perguntei para matar a curiosidade. Os discursos inflamados da deputada Andréa Murad, disseram.
Realmente eu tomo como exemplo aqui em casa. O motorista  Wilson e a secretária Dona Dalva não perdem um pronunciamento. A minha companheira, que se forma em Direito o ano que vem, é fã dos discursos contundentes. E ainda dizem que ela (a deputada) tem o dobro da coragem de qualquer homem.
Para minha surpresa, a parlamentar é marinheira de primeira viagem, mas com o tempo estará dando mais trabalho ao governo e arrancando mais audiência para a TV Assembléia.
Seu pronunciamento da última semana, sobre uma denuncia grave e que merece investigação da Governo do Estado. Andréa Murad disse que recebeu informações de que o empresário José Lauro de Castro Moura, dono da Central Engenharia e Construções LTDA, estaria dando propinas para secretários do Meio Ambiente do Estado e de Paço do Lumiar para que seus negócios não sofram obstáculos.
A sua empresa fabrica asfalto em uma área residencial. Pior ainda é que não tem licenciamento ambiental para exercer a atividade numa área que atinge a saúde de centenas de famílias do povoado Santa Filomena.
O problema é grave e existe já algum tempo, mas ninguém teve a coragem de denunciar publicamente. Então, esse estilo corajoso da deputada Andréa Murad engorda a audiência da TV Assembleia e tira o sono do governador Flávio Dino.
Do Blog do Luis Cardoso

Funcionários continuam sendo alvos de perseguição na Secretaria de Saúde

Blog do Luis Pablo recebeu uma denúncia de uma servidora estadual da Secretaria de Saúde a respeito de perseguições aos funcionários que faziam parte da equipe coordenada pela ex-servidora Maria Áurea de Souza Silva no setor de Tratamento Fora do Domicilio – TFD/SES/MA.
Secretário de Saúde Marcos Pacheco e a Subsecretária Rosângela Curado
Secretário de Saúde Marcos Pacheco e a Subsecretária Rosângela Curado
Para quem não lembra, Dona Áurea, como é conhecida, era um funcionária com mais de vinte anos de serviços prestados ao órgão e foi demitida pelo Governo Flávio Dino por pura perseguição política.
Temendo represálias, a funcionária que encaminhou a denúncia – preferindo não ser identificada, afirmou que pessoas ligadas à antiga funcionária estão sendo substituídas por quem não entende nada do trabalho realizado pela equipe.
“Como não podem demitir, devolveram pessoas capacitadas que entendem todo o fluxo do Tratamento Fora do Domicilio – TFD/SES/MA, para substituir por funcionários contratados, e o pior novatos, que ainda não sabem nem o que é TFD”, explicou.
O Tratamento Fora do Domicílio – TFD, é o setor que encaminha os pacientes para tratamentos fora do Maranhão. Segundo a denúncia, a ordem de remoção das funcionárias parte de uma pessoa identificada como Lídia do setor de Assessoria Jurídica Contenciosa do órgão e do Sr. Leão, coordenador do setor do TFD e considerado como um fantoche da Lídia.
Só no último dia 21 de agosto cinco funcionárias foram encaminhadas para o RH.
Porém um alerta bem mais greve é feito e se estende ao tratamento dado aos pacientes fora de domicilio. A SES estaria se recusando a pagar a ajuda de custo de pouco mais de R$ 24 por dia e os pacientes estariam tendo dificuldades em outros Estados.
Um completo absurdo.
Do Blog do Luis Pablo

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Briga em bar acaba em homicídio na cidade de Brejo de Areia

Informações baseadas no relato da ocorrência, por volta das 19h, do último sábado (22), uma guarnição da Polícia Militar do Destacamento de Brejo de Areia, composta pelo Cabo Fernandes e Soldado Williams, foi informada por populares que no povoado Cocalinho ocorreu um homicídio praticado por arma branca (faca) e, mediatamente, se deslocou até o local onde verificou a veracidade do fato.

Ainda de acordo com populares, a vítima, identificada apenas como Adriano, que residia em Paulo Ramos, estava bebendo no bar de Antônio de Jesus Marinho, “Vulgo Biléu", e encontrava-se em visível estado de embriaguez  quando iniciou uma discussão com o acusado Francinaldo, vulgo “Naldo”, que lhe desferiu um golpe de faca do lado esquerdo do tórax,  o levando a óbito.

Segundo Hernandes Araújo Cavalcante, a vítima havia sido contratada por ele para trabalhar em sua fazenda junto com outros trabalhadores e, após o serviço, se dirigiu ao bar.
O acusado após praticar a ação fugiu em direção ao povoado Lagoa Seca, próximo ao Rio Gentil. Foram feitas diligências no intuito de encontra-lo, mas os policiais não obtiveram êxito.

O corpo da vítima foi velado e sepultado em Paulo Ramos.

Do Blog do Sérgio Matias

'Se escondeu em um momento de pânico', diz advogado de prefeita

Lidiane Leite está foragida desde quinta-feira (20).

Ela é acusada de desvios de recursos da merenda escolar.

Lidiane Leite assumiu a prefeitura aos 22 anos (Foto: Arquivo pessoal)Lidiane Leite assumiu a prefeitura aos 22 anos (Foto: Arquivo pessoal)

O advogado Carlos Sérgio de Carvalho, que assumiu nesta segunda-feira (24) a defesa da prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite (PRB), disse em entrevista ao G1 na madrugada desta terça-feira (25) que a prefeita fugiu num momento de pânico e que pode se apresentar espontaneamente a qualquer momento à Polícia Federal.

A gestora municipal está foragida desde a última quinta-feira (20) quando foi decretada a sua prisão por suspeitas de fraudes em licitações, desvio de dinheiro da merenda escolar e transferências bancárias irregulares.

Segundo o advogado, a decisão de se esconder da polícia não foi premeditada e a prefeita estaria assustada com a repercussão do caso. “Ela é uma jovem de 25 anos e se escondeu em um momento de pânico, sequer sabia exatamente o que estava acontecendo. Teve sorte de não ser localizada até agora”, disse.

Ele considera o caso delicado, porém, acredita que não haja argumentos suficientes para que seja decretada a prisão da prefeita. “Espero que a decisão seja revogada, mesmo porque, ela é absolutamente desnecessária e galgada em elementos produzidos unilateralmente. Esperamos que em pouco tempo os fatos sejam esclarecidos e as responsabilidades de cada um colocadas no seu devido lugar”, explicou Carlos Sergio.
A decisão de se entregara à polícia pode ser tomada a qualquer momento. “A possibilidade de entrega é sempre considerada”, frisou o advogado.

Carlos Sérgio disse ainda que Lidiane Leite estaria “depressiva, doente, ansiosa e sofrendo muito” e que teria consciência da sua responsabilidade.

“A população tem o direito de ser informada de tudo que diz respeito aos recursos públicos, mas os agentes políticos como pessoas humanas também tem o direito de defesa. Afinal, ser gestor não é fácil e todos estão sujeitos a erros, mas de antemão podemos afirmar que ela não se apropriou de nenhum recurso público”, finalizou o advogado Carlos Sérgio de Carvalho.

Interpol
O Superintendente da Polícia Federal no Maranhão, Alexandre Saraiva,  disse ao G1 nesta segunda-feira (24) que se prefeita Lidiane Leite não se entregar até amanhã, será solicitado que o nome dela seja incluído na lista vermelha da Interpol.
Prefeita de Bom Jardim (MA) Lidiane Leite (Foto: Reprodução / TV Mirante)Prefeita de Bom Jardim (MA) Lidiane Leite (Foto:
Reprodução / TV Mirante)
Prefeita 'Ostentação'
Depois que se tornou prefeita, Lidiane passou a compartilhar fotos da nova rotina nas redes sociais. Nos perfis pessoais, ela escreveu: "Eu compro é que eu quiser. Gasto sim com o que eu quero. Tô nem aí pra o que achem. Beijinho no ombro pros recalcados". Em outro post, ela diz: "Devia era comprar um carro mais luxuoso pq graças a Deus o dinheiro ta sobrando (sic)".

Devios e Afastamento
A polícia investiga transferências de cerca de R$ 1 mil realizadas da conta da prefeitura para a conta pessoal de Lidiane que chegam a R$ 40 mil em um ano. Também foram feitas transferências para o advogado da prefeitura, Danilo Mohana, que somam mais de R$ 200 mil em pouco mais de um ano.
Além da prefeita, secretários, ex-secretários e empresários também estão sendo investigados por causa de irregularidades encontradas em contratos firmados com "empresas-fantasmas". Houve duas licitações para reformar 13 escolas, pelas quais a Zabar Produções obteve R$ 1,3 milhão e a Ecolimp recebeu R$ 1,8 milhão. Nenhuma das empresas foi encontrada.

Justiça do Maranhão havia determinado o afastamento da prefeita por 180 dias em dezembro de 2014, com base no descumprimento da regularização das aulas e do fornecimento de merenda e de transporte escolar em Bom Jardim.
Do G1 MA